Os primeiros passos de Tiago Alberione

Tiago Alberione nasceu em São Lourenço de Fossano (Cuneo, Itália), em 4 de abril de 1884. Era o quinto filho de Miguel Alberione e Teresa Rosa Alloco, modestos agricultores das redondezas de Bra. Foi batizado no dia seguinte ao seu nascimento e recebeu o nome de seu padrinho.

A saúde frágil do pequeno Tiago deixava sua mãe em constante estado de ansiedade e preocupação. Por causa disso, ela nunca se cansou de recomendar seu filho aos cuidados de Nossa Senhora das Flores, padroeira da cidade de Bra. Não só Tiago foi consagrado à Virgem das Flores, mas também todos os filhos do casal Miguel e Teresa.

Casa onde nasceu Pe. Tiago Alberione

Foto da casa onde Pe. Tiago Alberione nasceu.

De modo particular, Teresa rezava para que a Virgem encaminhasse um de seus filhos ao sacerdócio. Para ela, seria grande alegria!

Em novembro de 1886, seu pai mudou-se, com todos os de sua casa, para a localidade de Montecapriolo de Cherasco, onde viveria mais próximo dos parentes e poderia conseguir melhores condições para sua família tão sofrida e empobrecida.

Aos 6 anos de idade, quando freqüentava a escola local – a vários quilômetros de casa -, Tiago Alberione respondeu a sua professora primária, Rosina Cardona, que queria ser padre.

 

Foi resposta inusitada para um menino daquela idade; contudo, cada dia de sua vida seria uma confirmação de tão corajosa declaração. O amor aos estudos, a conduta de vida irrepreensível e a piedade autêntica impressionaram seus professores e o pároco da comunidade, Pe. Montersino. Por esses sinais de adesão à vontade de Deus, foi possível a Tiago ser admitido à Primeira Comunhão com a idade de 8 anos e meio, algo raro naquele tempo.

Seus irmãos, logo nos primeiros anos de estudos, tiveram de abandonar os bancos escolares para ajudar o pai nos trabalhos agrícolas. Tiago, entretanto, persistia em freqüentar a escola e nutrir o desejo de ingressar no seminário. Seguindo o conselho de seu pároco, e com certo sacrifício por parte de sua família, ele foi aceito no Seminário Menor de Bra. Aí o jovem viveu um tempo de serenidade, de muito estudo, de leituras, de orações e de incentivo da parte de seus superiores.

Tiago não era dotado de inteligência grandiosa, mas sabia se aplicar com exemplar seriedade às regras do seminário. Não era dado aos esportes; em seus recreios, preferia rever os apontamentos das aulas e mesmo se aproximar dos adultos, para com eles conversar e debater assuntos que tocassem ao âmbito da Igreja e da sociedade.

A vida caminhava normalmente, até que veio a notícia da demissão do jovem do Seminário de Bra. Não se conhecem bem os motivos que levaram seus superiores a tomar tal decisão. Imagina-se que a razão de tudo tenha sido leituras inadequadas à sua condição de seminarista. O certo é que Tiago retornou para a casa de sua família e viveu aí uma espécie de grande retiro ou revisão de vida. Jamais pensou em desistir de sua caminhada rumo ao sacerdócio. Preferiu, sim, confiar-se à providência divina e esperar que a mão de Deus agisse.