Apóstolo da comunicação social

apostolo-da-comunicacao-tiago-alberione

A Família Paulina está em festa. E não poderia ser diferente! Ao redor do mundo, os filhos, as filhas e os colaboradores de Pe. Tiago Alberione alegram-se e comemoram sua beatificação. A Igreja, no dia 27 de abril de 2003, reconhece de modo formal as virtudes do fundador da Família Paulina e o apresenta ao mundo como apóstolo da comunicação social.

apostolo-da-comunicacao-socialAlberione tinha uma aparência física frágil, mas interiormente era forte e perspicaz. Embuído do Espírito de Deus desde os primeiros anos de vida, esteve atento aos sinais que o cercavam e sempre buscou responder aos apelos divinos. Seus olhos, mente e coração não se cansavam de acreditar na força transformadora do evangelho e assumiram a responsabilidade de levar adiante essa mensagem. Se o mundo estava distante de Deus, era preciso fazer algo para que esse encontro ocorresse. Se as pessoas se distanciavam do contato com Deus do modo tradicional, era preciso lançar mão do novo que se apresentava, a fim de comunicar incansavelmente o bem ao ser humano. Sem dúvida, Alberione entendeu que o anúncio do evangelho deveria acompanhar os sinais particulares de cada tempo.

Seguindo sua intuição e observando as mudanças em curso no mundo, ele percebeu com muita clareza que os meios de comunicação teriam incidência grandiosa na vida das pessoas do século XX. Ao se dar conta desse fato, não se intimidou, mas começou a agir para que a Palavra de Deus atingisse esses novos instrumentos ou para que nesses novos instrumentos a Palavra de Deus tivesse seu espaço.

Tudo começou de modo simples, e a imprensa foi o primeiro veículo utilizado para divulgar a boa nova do Reino de Deus. Se esse instrumento propagava o mal na sociedade, também poderia ser empregado de modo contrário. É claro que toda nova iniciativa encontra resistência, e Pe. Alberione sofreu duras críticas por enveredar por esse caminho. Contudo, importava fazer a vontade de Deus. À imprensa foram se agregando os novos meios que a inteligência humana criava; desse modo, já não havia um apostolado voltado exclusivamente para o âmbito da escrita, mas um apostolado aberto a tudo o que tocasse ao mundo da comunicação. Essa comunicação proposta por Alberione assumia característica específica: era fruto da vivência profunda e íntima de Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida, segundo o exemplo do apóstolo Paulo, e tinha como objetivo a libertação do ser humano em todos os níveis da sua existência.